Saúde promove conferências macrorregionais de Saúde da Mulher e Vigilância em Saúde

17/05/2017 - Luciene Lopes/Governo do Tocantins

Como nas demais etapas macrorregionais que aconteceram recentemente nos municípios de Araguaína e Gurupi, tem início nesta quarta-feira, 17, em Palmas, a conferência macrorregional da região central do Estado, que abrange a 1ª Conferência Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) e a 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres (Cesmu). A abertura oficial do evento, que segue até dia 19, será realizada às 19 horas, no auditório do Palácio Araguaia.

A programação das duas conferências, que ocorrem dentro de uma mesma logística, abordará, por meio de palestras, painéis e atividades em grupos, temas como: as diretrizes para a formulação da Política Estadual de Vigilância em Saúde com a finalidade de fortalecer ações e programas e a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres. As conferências são direcionadas aos conselheiros municipais, secretários municipais de saúde, técnicos, trabalhadores e  gestores de serviços de saúde, sociedade civil organizada, bem como todos os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Trâmite

As macrorregionais, de acordo com o secretário executivo do Conselho Estadual de Saúde (CES), Mário Benicio, são etapas preparatórias para as Conferências Estaduais. No Tocantins, a Conferência Estadual da Mulher ocorre nos dias 13 e 14 de junho e da Vigilância em Saúde entre os dias 29 a 31 de agosto deste ano, quando serão eleitos, de forma paritária, as delegadas e os delegados para a Conferência Estadual, conforme a Resolução do Conselho Nacional de Saúde nº 453/2012.

Mário Benício explica que as propostas apresentadas nessas etapas macrorregionais, após consolidadas pelo Conselho Estadual de Saúde, serão deliberadas para irem à conferência estadual. São 48 propostas para a Saúde da Mulher e 28 para Vigilância em Saúde e a representatividade das regiões norte, sul e central será feita por 28 delegados. “Por isso é importante a participação de todos, para que haja uma legítima representatividade”, pontua o secretário, chamando os gestores de serviços de saúde para que se empenhem em levar o maior número de usuários ao evento, uma vez que são eles os verdadeiros dependentes do Sistema Único de Saúde.

Para o subsecretário, Marcus Senna, as conferências são espaços importantes para que a sociedade se articule a fim de garantir direitos e encontrar caminhos para sanar dificuldades na área da saúde. “Também é o momento de rever o que está sendo feito pelo SUS e ampliar, na sociedade, as informações sobre os serviços prestados pelo sistema”, disse.

Compartilhe esta notícia