Atividades lúdicas e educativas marcaram o Dia Nacional de Combate à Violência e à Exploração Sexual contra Criança e Adolescentes

19/05/2017 - Luciene Lopes/Governo do Tocantins

Esta quinta-feira, 18 de maio, Dia Nacional de Combate à Violência e Exploração Sexual contra Criança e Adolescentes, foi marcado por uma programação diversificada com atividades lúdicas para “lembrar a sociedade sobre a existência do problema, mostrar o que o Poder Público está atento à questão e, ainda, intensificar as ações que já são realizadas diariamente pelo Serviço de Referência no Atendimento de Crianças em Situação de Violência no Tocantins (Savi)”, destacou a coordenadora do serviço, Rosivânia Tosta.

As atividades seguiram ao longo do dia, sendo realizadas pela equipe do Savi e da Ludoteca no Hospital Infantil de Palmas (HIP). Músicas, participação do grupo Animadores do riso e orientações sobre o trabalho realizado pelo Savi fizeram parte da programação que contou com a participação das crianças internadas com diversas patologias.

Midiã Mhaday e Felipe Ferreira disseram que se sentiram surpresos e felizes com o convite de cantar para as crianças. A pequena Midiã, que quer ser médica, disse que espera que o seu canto tenha levado mais alegria para as crianças. O violonista e futuro jogador de futebol, Felipe, disse que a oportunidade foi um presente para ele.

Os animadores do riso também deixaram seu recado. Por meio da música Rompendo o silêncio, incentivaram as crianças a falarem para os pais e ou responsáveis tudo que acontece no dia a dia. A mensagem foi complementada com as orientações da psicóloga Juliana Martins. A técnica orientou os pais a observarem, conversarem e avaliarem os filhos, diariamente. “Estamos, aqui, preparados para acompanhar as crianças em caso de alguma agressão", finalizou.

Para Ana Rússia, mãe de uma das crianças internadas no Hospital Infantil de Palmas, “a ação foi importante, pois, além de levar diversão para as crianças, foi esclarecedora para muitas mães e responsáveis que podem estar vivendo a situação e não sabe como lidar”.

Números

Em funcionamento desde 2012, o Serviço de Atenção Especializada às Pessoas em Situação de Violência Sexual (Savis) já atendeu aproximadamente 1.000 vítimas de violência sexual, de todas as idades e de ambos os sexos. A coordenadora do serviço, Zelma Moreira, destacou que 70% dos atendimentos são voltados para crianças e adolescentes.

O número de crianças atendidas no Savi tem aumentado significativamente. No ano de sua implantação (2015), de junho a dezembro, foram realizados 45 atendimentos. Já em 2016, foram 378 atendimentos e, até o mês de abril deste ano, já foram realizados 148 atendimentos.

 

Compartilhe esta notícia