Técnicos e extensionistas rurais recebem capacitação em programa de produção de Biodiesel

15/09/2017 - Elmiro de Deus/Governo do Tocantins

Com o tema Cadeias Produtivas de Oleaginosas: Com foco na Agricultura Familiar, iniciou nesta quinta-feira, 14, no auditório da Câmara Municipal de Santa Rosa do Tocantins, região sudeste do Estado, a capacitação para cerca de 50 técnicos e extensionistas rurais. O objetivo é qualificar profissionais do Estado e Municípios para inserir os agricultores familiares no Programa Nacional de Produção e uso do Biodiesel (PNPB). O evento prossegue até esta sexta-feira, 15.

O subsecretário da Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro), Ronison Parente, fez referência à busca de alternativa de produção para incentivar os agricultores familiares a produzir e gerar renda. “Essa é uma região promissora na produção de grãos e, o pequeno produtor deve também estar inserido nesse crescimento produtivo com projetos como o PNPB. De cada 10 postos de trabalho no campo, sete são da agricultura familiar”, ressaltou.

O prefeito de Santa Rosa do Tocantins, Ailton Parente, explicou que o município se destaca na produção de soja, milho, sorgo e milheto, reforçada com a estrutura de cinco armazenamentos de grãos e três em fase de construção. “Na última safra, foram plantados 40 mil hectares de soja e, alguns agricultores alcançaram uma produtividade de 80 sacas por hectare. Portanto, um programa, como o PNPB, pode ser mais uma alternativa para ampliar em potencial de produção”, disse.

Tendência

Ao falar do programa PNPB, o diretor de agricultura de Santa Rosa, Lourival Guimarães, informou que o município já possui a tendência de produção de soja cultivada por agricultores familiares. Como por exemplo, o projeto de assentamento Carajás, que cultiva cerca de 60 hectares de soja e, o projeto Bom Jesus que plantou na última safra, 200 hectares de soja. O município possui três assentamentos, integrando um total de 110 pequenos produtores. “Isso mostra que já temos essa tendência, o que falta é mais capacitação, conhecimento e financiamento para buscar mais alternativas de produção e inserir em programas como o PNPB”, lembrou.

Já para o técnico agropecuário, Valdivo Iris de Sousa, a produção de amendoim seria uma alternativa excelente para produção de biodiesel. “É uma oleaginosa tradicional e adaptada ao clima do município, o que precisamos é de apoio, assistência técnica para garantir uma produção efetiva e sustentável”, destacou.

Compartilhe esta notícia