Órgãos de fiscalização apreendem mais de 900 kg de queijos região norte do Estado

07/03/2018 - Welcton de Oliveira/Governo do Tocantins

Uma ação conjunta entre Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), Secretaria de Estado da Fazenda e Polícia Civil do Estado do Tocantins, com o objetivo de combater a produção e a comercialização de produtos lácteos clandestinos, foi realizada na manhã desta quarta-feira, 7, nos municípios de Araguaína e Nova Olinda, no norte do Estado. Na operação, a Adapec apreendeu 930 kg de queijos clandestinos e 130 de creme de soro de leite, além disso, houve dois autos de infração com multa no valor de R$ 10 mil para cada estabelecimento fiscalizado.

A ação foi coordenada pela Polícia Civil que solicitou apoio técnico da Adapec para averiguação de fabricação de produtos lácteos sem as devidas condições higiênico-sanitárias e provável fraude envolvendo o estabelecimento clandestino e uma empresa de laticínio.

Em Araguaína

No município de Araguaína, a equipe localizou em uma chácara, uma produção irregular de queijo tipo mussarela, sem as mínimas condições higiênico-sanitárias e sem o devido registro em órgão oficial de inspeção de produtos de origem animal, caracterizando o estabelecimento como clandestino. A produção funcionava em um antigo laticínio abandonado próximo à residência da chácara.

“A sala onde os produtos eram produzidos encontrava-se suja, com restos de produções anteriores e odores pútridos. Identificamos também o uso de equipamentos de madeira, ferro oxidado (faca e macalé), água sem o devido tratamento e certificação de potabilidade para fabricação de alimentos de origem animal, utensílios sujos, denotando que o estabelecimento não possuía condições mínimas para produção de derivados lácteos”, relatou a inspetor de defesa agropecuária da Adapec, Fernando Loiola Nunes.

No local, foram encontrados 13 kg de queijo tipo mussarela fatiado sem rotulagem, 47 barras de queijo tipo mussarela (4 kg cada) totalizando 188 kg sem rotulagem e 43 barras de queijo tipo mussarela (4 kg cada) totalizando 172 kg com rótulo de outro laticínio, que não possuía aprovação no serviço oficial de inspeção. Todos os produtos estavam acondicionados em dois refrigeradores juntamente com outros produtos alimentícios sem o devido controle de temperatura.

Por estar em total desacordo com a Lei Estadual n° 502/92 e o Decreto n° 5.751/17 do Serviço de Inspeção Estadual, o estabelecimento foi interditado para produção de derivados lácteos, os produtos foram apreendidos e destruídos no aterro sanitário de Araguaína.

Em Nova Olinda

Como as investigações apontavam a participação do proprietário de um laticínio de Nova Olinda com a fábrica clandestina de queijo de Araguaína, a equipe também esteve neste local e encontrou produtos acabados (queijo muçarela) embalados e identificados por meio de etiqueta e produtos fabricados (creme de soro de leite) ambos sem a aprovação do Serviço de Inspeção Estadual (SIE). “A quantidade de produtos fabricados não condizia com a quantidade de matéria-prima recebida pela indústria e registrada em planilhas, o que caracteriza a ausência de controle da rastreabilidade da matéria-prima”, disse a inspetora de defesa agropecuária da Adapec, Hellen Núbia Maciel Miranda.

A indústria recebeu auto de infração no valor de R$ 10 mil e foram lavrados termos de apreensão e inutilização de 550 kg de queijos clandestinos e mais 130 kg de creme de soro de leite. Os produtos apreendidos foram também destruídos no aterro sanitário de Araguaína.

Veja também outras notícias