Unitins lança edital de Pós-Graduação em “Educação, sociedade e violência”

14/03/2018 - Ruy Bucar/Unitins

A Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) lançou nesta terça-feira, 13, o edital de seleção do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação, Sociedade e Violência. “O lançamento deste edital marca um novo momento na trajetória de nossa universidade, estamos efetivamente abrindo espaço para formar pessoas com condições de refletir e atuar para transformar a realidade, contribuindo para construção uma sociedade mais justa, igualitária e mais fraterna”, discursou a vice-reitora Simone Brito, que representou a reitora durante o 1° Simpósio sobre o mesmo tema.

O curso é uma realização da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação que vem trabalhando para ampliar a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu e também stricto sensu. Em seu pronunciamento na abertura do Simpósio sobre Educação, Sociedade e Violência, que marcou o lançamento do edital, o professor Eduardo Ribeiro, pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, fez questão de destacar que todos os cursos oferecidos pela Unitins são gratuitos. “Com isso, nós queremos oferecer igualdade de oportunidades para todos que buscam o conhecimento”, ressaltou.

O coordenador adjunto do curso de Pós-Graduação Educação Sociedade e Violência, professor Carlos Borges da Silva Júnior, reforçou que o curso é aberto a todos os interessados na temática. Ao todo, estão sendo oferecidas 45 vagas, sendo 20 para ampla concorrência e o restante para reserva de cotas que compreende negros e pardos, quilombolas, indígenas, portadores de deficiências e egressos da Unitins. O curso é presencial e será ministrado no câmpus de Palmas. Mais informações consultar o edital aqui.    

Simpósio

A professora Mariany Almeida Monteiro mediou a Mesa de Debates da primeira noite do Simpósio e comentou a discussão sobre um assunto “tão importante e urgente. Isso significa dizer que a Universidade abre as portas para debater com a sociedade caminhos para superar os desafios da atualidade”. O professor Ricardo Barbosa de Lima, da Universidade Federal de Goiás, deu continuidade ao debate, perguntando à plateia para que serve o conhecimento e deu uma pista do que pode ser a resposta. “A gente quer transformar o que está posto. Se não estou confortável neste mundo, tenho que me mover, o conhecimento deve servir para mover o interrogante”, disse, concluindo seu pensamento a respeito do papel da Universidade como instrumento de transformação social.

Para o professor José Manoel Miranda de Oliveira, da Universidade Federal do Tocantins (UFT), apontou que os educadores enfrentam um grande desafio na atualidade. Segundo ele, há excesso de informações e pouco conhecimento. “Vejo que o desafio da educação na atualidade é transformar informação em conhecimento. A universidade é o palco ideal deste debate que busca ampliar os espaços de participação e cidadania por meio da educação”, sintetizou. O debate ainda continuou por algumas horas com perguntas e considerações dos participantes. 

O Simpósio surgiu após o trabalho do Grupo de Trabalho Pós Graduação Stricto Sensu, criado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Unitins para a elaboração deste programa de especialização, com interface nas áreas de Ciências Humanas, Sociais Aplicadas e Letras e Artes. O trabalho foi elaborado por professores doutores e mestres da Unitins.

O Simpósio continua nesta quarta-feira, 14, com mais uma mesa de debate, agora com o tema: Conflitos Sociais, Sistema Profissional e Direitos Humanos. Estarão na mesa como debatedores o professor Valcelir Borges da Silva, do Comitê Estadual de Educação nas Prisões (Comep), a defensora pública Vanda Sueli Machado de Souza Nunes, e a advogada Gabriela Moura, da OAB. A mesa será mediada pelo professor Tarsis Barreto Oliveira, da Unitins.

Veja também outras notícias