Encceja PPL é realizado em unidades prisionais e socieducativas do Tocantins

09/10/2019 - Vitória Soares e Erlene Miranda/Governo do Tocantins

O Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), trabalha para promover ressocialização e, para isso, utiliza de ferramentas como a educação, com intuito de proporcionar uma nova oportunidade para as pessoas privadas de liberdade. Dentro disso, está sendo realizadas nesta terça-feira, 8, e quarta-feira, 9, as provas do Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e Adultos para pessoas que cumprem Penas Privativas de Liberdade (Encceja PPL) nas unidades prisionais e socioeducativas.

O Encceja PPL proporciona a possibilidade dos participantes conquistarem os certificados do ensino fundamental e médio, sendo a participação voluntária e gratuita. Para conquistar a certificação, os participantes devem atingir no mínimo 100 pontos em cada área de conhecimento do exame e cinco pontos na redação. 38 unidade prisionais e quatro unidade socioeducativas do Tocantins estão realizando as provas, foram inscritos 952 adultos (reeducandos) e 51 jovens (socioeducandos).

O primeiro dia de exame foi realizado com os reeducandos e socieducandos que desejam certificação no ensino fundamental, abordando as áreas de Ciências Naturais; Matemática; Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes, Educação Física e Redação; História e Geografia. Já o segundo dia do exame é para os participantes que pretendem conquistar a certificação do ensino médio, com provas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias; Matemática e suas Tecnologias; Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e Redação; Ciências Humanas e suas Tecnologias.

Unidades prisionais

Com intuito de alcançar o maior número de reeducandos para a realização das provas, o Sistema Penitenciário e Prisional do Tocantins (Sispen/TO), por meio da Gerência de Assistência Educacional e Saúde ao Preso e Egresso, realizou mobilização das unidades prisionais para adesão ao exame. Das 39 unidades penais, 38 aderiram e estão aplicando as provas.

A responsável pela Assistência Educacional ao Preso e Egresso da Seciju, Renata Keli Duarte, ressaltou que a realização do exame dentro das unidades prisionais é uma grande oportunidade para os reeducandos. “A expectativa de todos os envolvidos é que os 952 aptos para provas sejam bem sucedidos e consigam a certificação de uma modalidade de ensino. Trabalhamos para isso, para o cumprimento da legislação penal, através da assistência educacional ao reeducando”, afirmou.

A pedagoga do Núcleo de Custódia e Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPP Palmas), Simone Mendes Paulo, contou que o número de inscrito na unidade para realização do exame neste ano, teve um aumento expressivo em relação ao ano anterior, passando de 90 inscritos em 2018 para 189 em 2019. “O trabalho de mobilização realizado pela secretaria, juntamente com interesse dos reeducandos em obter a certificação fez com que o número de inscritos no Encceja PPL aumentasse significativamente”, destacou.

A reeducanda, M.S.P, de 29 anos, acredita que com a certificação irá auxiliar na busca por uma nova oportunidade de trabalho. “Pretendo conseguir o certificado de conclusão do ensino médio, pois acredito que com essa formação terei maiores chances de conseguir um emprego futuramente”, relatou.

O reeducando, C.B.S, de 24 anos, realizou as provas pela primeira vez e contou que se preparou com dedicação para ter a certificação. “Eu procurei estudar e me esforçar para conquistar a nota necessária e receber o certificado e assim ser um orgulho para minha família, mostrar que estou querendo mudança de vida”, explicou.

Unidades socieducativas

Adolescentes de nove unidades socioeducativas também estão participando das provas, com intuito obter a certificação. No Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Palmas, a preparação teve início ainda em agosto, com o aulas sobre os temas cobrados nas provas.

A pedagoga, Meirisvan Miranda Brandão, contou que os socioeducandos estivem focados e engajados durante a preparação para o exame. “Notamos o interesse dos adolescentes em realizar a prova, demonstrando disposição e cobrando para que fossem realizadas ainda mais aulas”, contou.

O adolescente, M. M., de 18 anos, afirma que as aulas preparatórias foram satisfatórias e auxiliou para realização das provas. “Estou fazendo o exame pela primeira vez e meu objetivo é conseguir o certificado de conclusão do ensino médio. Gostei bastante da preparação.”, afirmou.

Compartilhe esta notícia