Governador Mauro Carlesse recebe representante do Ministério da Economia e discute projetos estruturantes para o Tocantins

13/01/2021 - Rafael Miranda/Governo do Tocantins

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, recebeu na manhã desta quarta-feira, 13, em seu Gabinete no Palácio Araguaia, a visita institucional do secretário de Ambiente de Negócios e Competitividade do Ministério da Economia, Jorge Luiz de Lima, acompanhado do presidente da Federação das Indústrias do Estado do Tocantins (Fieto), Roberto Pires. Na ocasião, foram debatidas formas de apoio para viabilização de projetos estruturantes para o Tocantins.

Durante o encontro, o governador Carlesse apresentou obras importantes para o Estado, solicitando apoio do Governo Federal, com o propósito de viabilizar recursos necessários ao desenvolvimento do Tocantins.

“Existem diversos projetos que são fundamentais para o crescimento econômico e social do nosso Tocantins. Hoje, estamos aqui buscando apoio do Ministério da Economia, por meio do senhor Jorge Luiz, que se colocou à disposição para nos ajudar. São obras que irão incrementar o fator logístico da nossa região e, consequentemente, de todo o restante do Brasil. Falamos do projeto do porto de Praia Norte, da rodovia Transbananal, da construção da Ponte de Porto Nacional e de outras obras que estamos buscando recursos para o Estado. Por meio dessas parcerias, será possível iniciar projetos que terão impacto imediato na vida do tocantinense”, destacou o Governador.

O secretário do Ministério da Economia, Jorge Luiz de Lima, que esteve no Tocantins pela primeira vez neste ano, saiu otimista do encontro e afirmou que o Tocantins tem projetos que se enquadram com a proposta de redução do Custo Brasil.

“Estou encantado com o Tocantins, tivemos boas reuniões e nossa missão é reduzir o Custo Brasil. Estamos focados em melhorar o ambiente de negócios e os projetos do Tocantins se enquadram nesse projeto do Custo Brasil. Iremos fazer mais reuniões e abrir um plano de trabalho. O que o governador Carlesse tem feito vai ao encontro de nossas ideias e essa parceria que estamos fazendo aqui terá total apoio de nossa parte. Deixo o Tocantins bastante otimista, principalmente pela conversa técnica que tivemos, de forma apartidária, sobre aquilo que de fato é importante. O Tocantins tem um potencial incrível”, pontuou o secretário do Ministério da Economia, Jorge Luiz Lima.

O presidente da Fieto, Roberto Pires, agradeceu pela receptividade do governador Carlesse e reafirmou a união entre o setor empresarial com o Governo do Tocantins.

“Recebemos o doutor Jorge, que falou sobre o projeto da redução do Custo Brasil. Precisamos assumir essa agenda, no sentido de reduzir esse custo, que vem sobrecarregando as empresas e especialmente as indústrias. Nosso evento [realizado na Fieto nessa terça-feira, 12] foi bem avaliado pelos empresários daqui e, na verdade, trouxe uma proposta interessante: precisamos estar juntos, a inciativa privada com o Governo do Estado para que possamos avançar com essa agenda. Fomos muito bem recebidos pelo governador Carlesse, que mostrou as potencialidades do Estado e o tanto que temos atrativos importantes. O doutor Jorge me informou que ficou impressionado com o que viu e que será um soldado nosso em Brasília, no sentido de tentar agilizar esses projetos do Tocantins”, afirmou o presidente da Fieto.

Projeto para redução do Custo Brasil

A vinda do secretário Jorge Luiz de Lima ao Tocantins teve como objetivo a apresentação do projeto de redução do chamado Custo Brasil, termo usado para definir conjunto de dificuldades estruturais que impedem o crescimento da produção industrial, do comércio e da economia brasileira como um todo.

A palestra do representante do Ministério da Economia foi ministrada na sede da Fieto, nessa terça-feira, 12, durante um almoço com empresários tocantinenses. O evento contou com a presença do governador Mauro Carlesse.

Por ano, o Custo Brasil consome das empresas um valor de aproximadamente R$ 1,5 trilhão, o que representa 22% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. O valor foi estimado a partir do trabalho conjunto de diagnóstico realizado nos últimos quatro meses, em uma parceria do Governo com o setor privado.

 

Edição: Caroline Spricigo

Revisão Textual: Marynne Juliate

Compartilhe esta notícia