Governador visita vítimas de cegueira em Araguatins

28/12/2005 - Luciane Goebel

O governador Marcelo Miranda (PMDB) vai a Araguatins nesta quinta-feira, 29, visitar os pacientes afetados por uma doença que causou lesões e cegueira em várias pessoas na cidade, transmitida por um verme (trematóide) que tem como hospedeiro um caramujo que habita o Rio Araguaia. A chegada do governador está prevista para as 8h40. Ao chegar à cidade, Marcelo Miranda visita as vitimas internadas no ambulatório da cidade e o Hospital Municipal. Em seguida, participa de uma palestra no posto de atendimento do Naturatins – Instituto Natureza do Tocantins. Após a palestra, o prefeito Rocha Miranda apresenta ao governador o Plano de Combate ao Caramujo, na Prefeitura.MedidasO Governo do Estado, por meio do Naturatins e da Sesau – Secretaria da Saúde, tem realizado um trabalho para resolver o problema. Uma ação em conjunto com a Prefeitura e a Vigilância Sanitária foi iniciada no dia 19 deste mês para remover mecanicamente a superpopulação de caramujo na orla do rio. A medida faz parte de uma série de providências emergenciais iniciadas no dia 16 de dezembro.Além da limpeza, está sendo desenvolvido todo um trabalho de triagem das pessoas, sendo que os casos de contaminação estão sendo encaminhados ao Hospital de Referência de Augustinópolis, a 32 km de Araguatins. Estão sendo ministradas palestras educativas nas escolas, associações, assentamentos, igrejas e a varredura pela equipe de educação ambiental na periferia, onde o acesso às informações é mais difícil. As equipes de fiscalização do Naturatins e Cipama estão a todo tempo na margem direita do rio para impedir o uso da água para o banho e atividades afins, em cumprimento às determinações da Portaria nº 168/2005, expedida pelo município.Uma equipe iniciou os trabalhos de reexames oftalmológicos em ribeirinhos que utilizam as águas do rio Araguaia. Mais de 30 profissionais da Marinha, Polícia Ambiental, fiscais do Naturatins, grupos da Defesa Civil do Estado e de Araguatins, percorreram cerca de 200 km percorrendo as margens do rio para levantar possíveis novos casos. Por determinação do governador Marcelo Miranda, a Defesa Civil permaneceu na cidade até o último sábado, 24, na cidade, realizando esse trabalho.Acredita-se que a origem do problema, de acordo com as análises preliminares, está ligada a uma explosão populacional dos caramujos causada por um desequilíbrio ambiental. Os predadores naturais dos caramujos desapareceram da região ou por pesca predatória, ou pela presença excessiva do homem no rio.

Compartilhe esta notícia