Laticínio clandestino é interditado na zona rural de Pequizeiro

22/02/2019 - Welcton de Oliveira/Governo do Tocantins

Com o objetivo de combater o comércio clandestino de produtos de origem animal, a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) e a Delegacia de Polícia Civil de Pequizeiro realizaram na manhã desta sexta-feira, 22, uma ação conjunta em uma propriedade na zona rural do município, que culminou na apreensão de 25 kg de queijos impróprios para consumo em um laticínio clandestino, além de outros produtos, como sal bovino, vacinas antiaftosa e um galão de salmoura. O local já estava interditado pela Adapec, devido às mesmas práticas, o proprietário foi autuado no valor de R$ 2.500 e os produtos foram inutilizados no aterro sanitário de Guaraí.

A operação ocorreu após recebimento de uma denúncia, que foi devidamente comprovada na propriedade. O local possui uma estrutura rústica completamente inadequada para manipulação de alimentos, com paredes, teto e pisos inadequados e de difícil higienização. Junto ao laticínio, existe uma pocilga e ainda havia, dentro da área de manipulação, a presença de animais (gatos e patos).

Os técnicos da Adapec verificaram que os utensílios estavam em péssimo estado de higiene e conservação, assim como bandejas, formas e mesas. Na ocasião, foi apreendido sal mineral para alimentação bovina que possivelmente estava sendo usado para salgar os queijos. Foram também encontradas quatro massas de queijo com presença de moscas, além de outros produtos em salmoura com aspecto repugnante. Em um freezer com péssimo estado de higienização, também foram localizadas 200 doses de vacinas contra febre aftosa congeladas e misturadas com os queijos. Todos os produtos de origem animal foram considerados impróprios para o consumo humano, sendo apreendidos e posteriormente inutilizados.  

A Adapec alerta a população a consumir apenas produtos devidamente inspecionados. “É importante que a população esteja atenta ao consumo de produtos de origem animal, adquirindo aqueles que sejam inspecionados pelo serviço de inspeção oficial que não irá oferecer riscos à saúde humana”, pontuou o presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha.