Plano de Ação de combate a incêndios florestais para este ano é tema de live na Agrotins 2020 100% Digital

29/05/2020 - Wanja Nóbrega/Governo do Tocantins

As ações preventivas, atendendo aos protocolos do Manejo Integrado do Fogo (MIF), que estão sendo realizadas pelo Instituto Natureza do Tocantins (Natruatins) e seus parceiros desde o mês de abril, fazem parte do Plano de Ação de Combate aos Incêndios Florestais no Tocantins previsto para este ano. O Plano de Ação é o tema de uma live, que será apresentada nesta sexta-feira, 29, às 12h45, dentro da programação ao vivo da Agrotins 2020 100% Digital.

A live sobre o Plano de Ação de Combate aos Incêndios Florestais 2020 terá participação do presidente do Naturatins, Sebastião Albuquerque; do secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Renato Jayme; e do superintendente estadual da Defesa Civil, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Militar, Erisvaldo de Oliveira Alves. Para participar do painel ao vivo basta acessar a plataforma da Agrotins no link https://agrotins.to.gov.br/programacao/.

Segundo o presidente do Naturatins, o órgão já vem realizando ações preventivas, com apoio dos supervisores das Unidades de Conservação de gestão do Naturatins e as brigadas contra incêndios florestais contratadas pelo Governo do Tocantins. “Essas ações ocorrerão até o mês de junho a partir de então os esforços serão concentrados no monitoramento, especialmente das áreas tradicionalmente mais atingidas por incêndios acidentais ou criminosos, para que as ações de combate sejam mais efetivas”, antecipa o presidente.

O Plano de Ação anual é o resultado do trabalho coordenado pelo Comitê do Fogo, que tem a participação de vários órgãos e entidades, sendo coordenado pela Defesa Civil. Segundo o tenente-coronel Abner Alves Martins, o Plano se apoia em três pilares: conscientização, prevenção e fiscalização.

Abner Alves Martins lembra que as recomendações de isolamento mudaram muita coisa, inclusive a maneira como os integrantes do Comitê estão se reunindo – de maneira remota, por videoconferência. “Mas, existe uma certeza: os meses mais quentes e secos estão chegando e, com eles, os riscos de incêndios, por isso precisamos estar preparados”, alerta o tenente-coronel.  

O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Renato Jayme, acredita que a principal ferramenta hoje para evitar os incêndios florestais é o uso inteligente das informações fornecidas pelas instituições integrantes do Comitê do Fogo. “Cada órgão ambiental do Estado produz dados essenciais que nos ajudarão a combater o fogo este ano. O que temos que fazer é cruzar essas informações e utilizá-las estrategicamente, já que este ano as ações de corpo-a-corpo deverão ser reduzidas, por isso temos que nos munir de dados de inteligência e usar todas as ferramentas que a tecnologia dispõe”, afirma.

Comitê do Fogo

O Comitê do Fogo foi instituído pelo Decreto nº. 645 de 20 de agosto de 1998, com objetivo de aperfeiçoar as ações de controle e prevenção dos incêndios e queimadas no Tocantins, por meio de estratégias preconizadas pelo Programa de Prevenção e Controle de Queimadas e Incêndios Florestais na Amazônia Legal (Proarco).

Fazem parte do Comitê do Fogo o Naturatins, Corpo de Bombeiros Militar (CBMTO), Defesa Civil Estadual, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e Conflitos Agrários (Demag), além do Ministério Público Estadual (MPTO), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Também constituem o Comitê do Fogo a Guarda Metropolitana de Palmas, Polícia Militar Ambiental, Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec), Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto), Secretaria da Educação, Juventude e Esporte (Seduc) e Secretaria dos Recursos Hídricos e Meio Ambiente (Semarh). O trabalho do Comitê conta ainda com o apoio do Exército Brasileiro e da Marinha do Brasil.

 

Edição: Thâmara Cruvinel

Compartilhe esta notícia