Propriedade rural de Jaú é liberada pela Adapec

29/12/2008 - Andressa Figueiredo

A Fazenda Boa Vista, que registrou o segundo foco de estomatite vesicular do Estado, foi liberada no último dia 25. A propriedade, localizada no município de Jaú do Tocantins, a 384 km de Palmas, foi interditada pela Adapec - Agência de Defesa Agropecuária no dia 16 de outubro, quando foi notificada a doença em sete amimais (cinco vacas e dois eqüídeos). Desde o dia 5 de dezembro a fazenda estava em quarentena para observação do fim do ciclo da doença.

A partir de agora, explica o presidente da Adapec, Humberto Camêlo, o Mapa - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento poderá solicitar ao Governo Russo que mantenha as restrições para exportação de carne somente para os municípios de Paranã e Jaú, liberando o restante do Tocantins.

Além da interdição, a intensificação da fiscalização do trânsito e a suspensão no transporte de animais num raio de 10 quilômetros do foco foram medidas adotadas para controle e contenção da estomatite vesicular em Jaú. Todas as ações estão previstas no Código Internacional Sanitário dos Animais Terrestres da OIE - Organização Mundial de Saúde Animal.

Casos

Além de Jaú, foi registrado um foco da doença no município de Paranã no dia 19 de setembro. Para o atendimento ao foco e execução do procedimento padrão foram mobilizadas dezoito pessoas, em um período de 41 dias. A propriedade foi liberada no dia 5 de novembro.

Estomatite

Doença infecciosa que acomete eqüinos, bovinos, suínos, mamíferos silvestres, e pode ser transmitida ao homem, por meio do contato com fluídos dos animais afetados. É causada por um vírus do gênero Vesiculovirus, da família Rhabdoviridae e os sinais clínicos são semelhantes aos observados na febre aftosa, como aftas, febre e salivação. Também podem ocorrer lesões no úbere e casco do animal.

O registro de estomatite vesicular interfere no intercâmbio comercial dos animais, seus produtos e subprodutos tocantinenses para a Rússia, um dos poucos países que faz exigências sanitárias quanto à notificação da doença. De acordo com tratado firmado com o governo russo, as suspensões das certificações para exportações de carne devem durar cerca de um ano, mas podem ser restringidas somente aos municípios onde foram registrados os focos. Além disso, o Tocantins pode continuar exportando para a Rússia, desde que a carne seja de outro estado.