Servidores do Sistema Socioeducativo recebem treinamento de primeiros socorros

20/03/2019 - Marcos Miranda/Governo do Tocantins 

Os servidores do Sistema Socioeducativo, ligado à Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), começaram, nesta quarta-feira, 20, um curso básico de suporte à vida e primeiros socorros, em Palmas. Os cursos começaram a ser ministrados no sábado, 15, em Araguaína, na Unidade de Semiliberdade (USL), masculina, seguindo cronograma de ações apresentado pela Gerência da Escola Superior de Formação e Qualificação Profissional.

Os cursos estão sendo desenvolvidos por meio de parcerias regionais, com turmas de 25 alunos e certificação. Em Araguaína, as aulas foram ofertadas pela Liga Acadêmica do Trauma em Enfermagem (Late); já na Capital, a parceria foi firmada com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), pelo enfermeiro especialista em urgência e emergência Mauro Maues.

A gerente da Escola de Formação, Rute Andrade dos Santos, explica que este é um treinamento obrigatório previsto pelo Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) para todos os servidores que lidam diretamente com adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa. “Este curso é uma demanda prevista desde a entrada dos servidores que foram aprovados no concurso, e todos irão ter a oportunidade. Estamos com duas turmas previstas para abril, seguindo pelos meses subsequentes até junho, com previsão de mais seis turmas”, esclareceu.

O servidor Caio Barcelos, que atua como técnico socioeducador na Unidade de Semiliberdade (USL), em Palmas, explicou que esperava muito pelo curso e sobre sua importância. “O curso nos dará uma capacidade mínima para atuar em situações de risco que exijam conhecimentos de primeiros socorros”, afirmou.

Rute Andrade explica que as ações desenvolvidas pela Escola Superior de Formação e Qualificação Profissional vão contemplar todas as unidades de atendimento socioeducativo do estado. “Criamos um núcleo de apoio nas unidades presentes, fora da Capital, com a participação de um técnico e de um analista socioeducadores responsáveis pelas ações. Eles são porta-vozes da Escola de Formação, com o intento de que as capacitações possam atender o Sistema Socioeducativo com maior eficácia”, finalizou.