Tocantins realiza com sucesso 15 procedimentos em crianças com cardiopatias congênitas

14/02/2020 - Aldenes Lima/Governo do Tocantins

Com um trabalho iniciado em setembro de 2019, o Estado do Tocantins já atendeu 15 pacientes com cardiopatias congênitas. Destes, 14 cirurgias foram realizadas no Hospital Municipal de Araguaína (HMA) e uma no Hospital e Maternidade Dom Orione, também daquele município, por meio de parceria destas unidades com a Secretaria de Estado da Saúde (SES).

O último procedimento, pioneiro no Estado, foi realizado no dia 7 deste mês, uma primeira intervenção de hemodinâmica em um recém-nascido de apenas 16 dias. O bebê com cardiopatia congênita cianótica foi submetido a múltiplos procedimentos de alta complexidade e com resultado positivo. “Foram realizados cateterismo cardíaco diagnóstico e terapêutico: atriosseptostomia com balão e angioplastia do canal arterial com implante de stent”, explicou o cardiologista intervencionista do Hospital Dom Orione, Sandro Sacre.

Alguns procedimentos eletivos que não são realizados no Estado seguem sendo enviados por meio da Central Nacional de Regulação de Alta Complexidade (CNRAC/MS). Em 2019, foram inseridos 51 laudos na CNRAC, destes, 15 foram realizados em Araguaína e 15 encaminhados para fora do Estado.

Para o atendimento dos pacientes encaminhados para fora do Estado, a SES tem contratualizado com a Santa Casa de Misericórdia de Passos (MG), a realização de procedimentos em pacientes de urgência e emergência.

Atualmente, três pacientes aguardam para realização no HMA e quatro aguardam transferência para Minas Gerais. “Alguns pacientes evoluem o quadro e recebem alta, mesmo após serem inseridos na CHRAC, dispensando a transferência e consequentemente, a realização do procedimento”, explica a superintendente de Políticas de Atenção à Saúde, Juliana Veloso.

Para o titular da SES, Edgar Tollini, cada procedimento realizado no Tocantins merece ser comemorado. “É um momento de grande felicidade, saber que um paciente como este de apenas 16 dias, segue em Unidade de Terapia Intensiva, mas se recuperando bem. É mais uma conquista da população usuária do SUS, que pode contar com todo o empenho da gestão, para tornar o sistema cada dia mais eficaz”, afirma.

Compartilhe esta notícia